Malária na África

Malária na África

A malária, uma doença de importância para a saúde global, resultou em enormes custos para indivíduos, famílias e governos, especialmente em África, apesar dos esforços crescentes para a sua prevenção e gestão.

Segundo a OMS, uma percentagem importante de mortes por malária ocorre em África. Os relatórios de 2015 da OMS mostraram que cerca de 88% dos casos de malária foram registados em todo o mundo e 90% das mortes ocorreram em África.

Embora ainda exista um número significativo de infecções e mortes por malária, o relatório também afirma que houve uma diminuição global no número de casos e mortes por malária ao longo do tempo.

É digno de nota que a guerra contra a malária também produziu resultados positivos. Houve um declínio de cerca de 42% no número de casos de malária registados entre 2000 e 2015. Nesse período, houve também uma diminuição de 66% no número de pessoas que morreram de malária em África.

O que é malária?

A malária é uma doença que pode ser evitada e curada; é causada por parasitas conhecidos como Plasmodium. Existem cinco espécies de Plasmodium que causam malária. Os organismos causadores da malária que são da maior importância para a saúde pública na África são Plasmodium falciparum e Plasmodium vivax. O Plasmodium vivax – que é particularmente comum em algumas áreas da África – é especialmente difícil de manusear e controlar, enquanto o Plasmodium falciparum é uma causa generalizada de malária na África.

Quem corre maior risco de contrair malária?

A malária é transmitida pela fêmea do mosquito Anopheles. Quando o mosquito suga o sangue de uma pessoa, deposita os parasitas causadores da malária. Indivíduos com baixo nível de imunidade são mais propensos a desenvolver a doença após a deposição dos parasitas causadores. De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), existe um mosquito altamente eficiente que transmite o Plasmodium em certas partes de África, contribuindo para o aumento da carga da doença na região.

Os grupos de pessoas mais afectados pela malária são as crianças com menos de 5 anos de idade, cuja imunidade ainda não se desenvolveu adequadamente. As mulheres grávidas também correm um risco aumentado de contrair a doença porque a sua imunidade diminui como consequência da gravidez. Indivíduos que não desenvolveram imunidade à malária (como viajantes) correm maior risco de contrair a doença.

Fatos interessantes sobre Plasmodium

Como grupo de parasitas responsável pela malária, o Plasmodium apresenta diversas características interessantes.

Eles podem causar até quatro tipos diferentes de malária
Eles permanecem nas glândulas salivares até terem acesso ao fígado, onde podem se reproduzir.
Quando chegam aos glóbulos vermelhos, causam o rompimento das células

Métodos de prevenção e gestão da malária

Dado que a malária é uma doença evitável, podem ser tomadas muitas medidas para impedir a sua transmissão e manter-se seguro.

As medidas preventivas da malária, incluindo a prevenção do contacto com mosquitos. A utilização de redes insecticidas de longa duração e de sprays insecticidas são formas importantes de prevenir a propagação da malária.

A investigação sobre vacinas está em curso, com projectos-piloto em curso para determinar a eficácia e adequação das vacinas para utilização generalizada. Esforços globais são continuamente desenvolvidos para reduzir a ameaça da malária.

A peculiaridade da malária em África resulta de um complexo de factores contribuintes que incluem a pobreza, a falta de recursos e de instalações de saúde adequadas para gerir eficazmente a doença.

___

Referências

O impacto da malária em todo o mundo. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Obtido em https://www.cdc.gov/malaria/malaria_worldwide/impact.html

Carga da Malária em África. Obtido em http://www.africairs.net/the-malaria-burden-in-africa/

Malária. Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde para África. Obtido em https://www.afro.who.int/health-topics/malaria